sábado, 31 de janeiro de 2009

Um poema guardado ha 22 anos...


Da oração para que seja protegido
dos ventos que me batem.
Do medo quando deveria ter esperança,
de vacilar quando deveria subir mais alto,
da luxúria egoísta, ó Capitão,
livra o soldado que te quer servir.
Do amor sutil às coisas macias.
Das escolhas fáceis e do desleixo...
Não são assim fortificados os espíritos,
nem assim seguiu o crucificado.
de tudo o que escurece o Teu calvário,
cordeiro de Deus - livra-me!
Dá-me amor que ao caminho mostra.
Dá-me fé que nunca desanima.
Dá-me esperança que a desilusão não cansa.
Dá-me paixão que como fogo queima.
Não me deixes afundar e virar lama.
Chama de Deus faze-me Teu combustível!
Ammy Carmichael